Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Arnaldo Santos
Arnaldo Santos
609

Arnaldo Santos (Luanda, 1935) é escritor angolano cujas obras passam pela poesia Fuga (1960), Poemas no Tempo (1977), pelos contos e novelas Quinaxixe (1965), A Boneca de Quilengues (1991), pela crónica Tempo de Munhungo (1968) e pelo romance A Casa Velha das Margens (1999). Exerceu, no entanto, outras atividades profissionais, nomeadamente a de colaborador em revistas como a Cultura, ABC e Mensagem. Após a independência de Angola fundou, juntamente com outros escritores, a União dos Escritores Angolanos.

 
Textos publicados pelo autor

Surpreendo-me discorrendo sobre alguns mitos emergentes na sociedade angolana, sem rumo certo e em desfrute de lentos vagares, mas logo me deixo enlear por coisas de somenos, pequenas dúvidas, questões teóricas. Será que esses mitos, sobre os quais me debruço, existem mesmo antes de serem nomeados, ou apenas passaram a existir por terem sido nomeados?