Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
António Nobre
António Nobre
685

António Nobre (Porto, 1867 – Foz do Douro, 1900) foi um poeta português, licenciado em Ciências Polícias pela Escola Livre de Ciências Políticas, em Paris. Enquanto poeta a sua obra insere-se nas correntes ultrarromântica, decadentista, saudosista e simbolista, inserindo-se aqui nos cânones do simbolismo francês. Publicou em vida unicamente a obra (1892) sendo postumamente publicados um conjunto de inéditos por ele deixados. Assim, são da sua autoria obras como: Despedidas (1985-1899) publicado em 1902, Primeiros Versos (1882-1889) publicado em 1921, Cartas Inéditas de António Nobre publicado em 1921, entre outras. 

 
Artigos publicados pelo autor

Texto poético em que sobressai o olhar atento sobre o falar do povo, refletindo sobre a sua pronúncia e a ortografia, ou seja, entre o uso, o erro e a norma.


Georges, anda ver o meu país de Marinheiros,
O meu país das naus, de esquadras e de frotas!
Oh as lanchas dos poveiros
A saírem a barra, entre ondas de gaivotas!
Que estranho é!
Fincam o remo na água, até que o remo torça,
À espera de maré,
Que não tarda aí, avisa-se lá fora!
E quando a o...