"Presença portuguesa em Timor-Leste é uma farsa" - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
"Presença portuguesa em Timor-Leste é uma farsa"
1K

Candidato socialista timorense diz que os líderes «mentem a Portugal» sobre a língua oficial

Avelino Coelho, candidato a primeiro-ministro pelo Partido Socialista Timorense (PST), afirmou hoje à Lusa que «a presença portuguesa em Timor-Leste é uma farsa» e que os líderes timorenses «mentem a Portugal» sobre a língua oficial.

«Os timorenses não foram sinceros (com Portugal) e apostaram no cavalo errado», afirmou, em entrevista à Lusa, Avelino Coelho, falando sobre a questão da língua oficial em Timor-Leste e das relações entre os dois países.

«Se fossem sinceros e se quisessem mesmo a língua portuguesa em Timor-Leste, cinco anos depois da independência já teríamos todas as escolas primárias com o ensino do português e já teríamos uma lei exigindo que quem investir em Timor fale e escreva em português», declarou Avelino Coelho.

«Passaram cinco anos», acrescentou o cabeça-de-lista do PST, e os líderes timorenses «vão para Portugal com discursos satisfatórios, regressam e não conseguem satisfazer o povo».

Os dirigentes timorenses, acusou Avelino Coelho, «vivem entre duas realidades: precisam dos apoios de Portugal, precisam daquele calor humano conseguidos dentro de 300 ou 400 anos da marcha da Humanidade, aos solavancos, mas estão perante esta realidade social: os jovens» que cresceram sob a ocupação indonésia.

«Podiam investir muito dinheiro nos primeiros anos, com reciclagem dos funcionários, se nós quiséssemos português», adiantou o líder do PST.

Também Portugal não contribuiu para a expansão da sua língua em Timor, acusou Avelino Coelho.

«Eu disse aos portugueses quando lá estive em 2000: se quiserem que o português seja a nossa língua oficial, não será uma língua em que falamos nos hotéis, nos restaurantes com os ovos estrelados».

«Invistam em Timor, disse aos empresários portugueses: 500 televisores, 500 professores, um para cada suco. Trabalhávamos em um ou dois anos e todo o Timor falaria português».

«A relação histórica entre Timor e Portugal é vinculada por dois elementos, a língua portuguesa e a religião, mas a identidade timorense é o tétum.

A ligação histórica que une os dois povos é esta. Não há problemas», afirmou Avelino Coelho, descendente de um minhoto que foi enviado para Timor pelo Estado Novo.

Se o PST fosse governo, colocaria em marcha legislação e programas para fazer do tétum «uma língua evoluída, a par do estudo do português».

Segundo Avelino Coelho, os falantes de português em Timor-Leste não devem ultrapassar hoje «5 a 6%» da população.

Sobre a contribuição de Portugal para o desenvolvimento de Timor-Leste, Avelino Coelho comentou que a antiga potência colonial «fez aquilo que podia fazer, os timorenses é que não souberam aproveitar este apoio».

Diário de Notícias - Funchal

Fonte

notícia publicada no Diário de Notícias-Funchal/Lusa, 24 de Junho de 2007