Português será língua curricular em 32 países no próximo ano letivo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Português será língua curricular em 32 países no próximo ano letivo
Desenvolvimento do projeto de expansão do ensino do português no estrangeiro
265

«A nossa ambição é generalizar mais essa presença. Com dois projetos-piloto que começarão no próximo ano letivo, estaremos em 32 países. Nesses países, o português será uma das línguas estrangeiras curriculares.»

ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, falava aos jornalistas sobre o 4.º Encontro da Rede de Ensino de Português no Estrangeiro, reunindo neste dia em Lisboa professores, leitores e coordenadores do ensino de português no estrangeiro.

Por seu lado, Luís Faro Ramos, presidente do Camões – Instituto da Cooperação da Língua, adiantou que se encontra em fase de projeto-piloto a integração do português no ensino secundário na Argélia e na Turquia. «Cuba também manifestou interesse em poder vir a ter a língua portuguesa como opcional no seu currículo público, temos, desde o ano passado, a Venezuela e falamos também com a Colômbia. Tudo isto são projetos em estudo»,  disse Faro Ramos, em declarações recolhidas pela agência Lusa.

Recorde-se que Portugal estabeleceu em setembro de 2018 como meta «a breve prazo» a integração do português como língua de opção no ensino básico e secundário de 40 países.

Santos Silva apontou ainda a crescente procura e interesse pelo ensino do português como língua de herança, mas sublinhou a necessidade de não descuidar o acompanhamento desta realidade para evitar retrocessos. Como exemplos, apontou os casos do Luxemburgo, onde, em 2017, uma comuna anunciou o fim do ensino integrado de Português, medida entretanto suspensa, e o da França, onde as autoridades anunciaram a retirada do português como prova final para terminar o secundário, tendo, entretanto, mantido, à experiência, essa possibilidade para a região de Paris e Guiana Francesa.

 «A questão da França está resolvida», assegurou o MNE português, adiantando  a necessidade de «demonstrar aos franceses que há procura pela aprendizagem da língua portuguesa». «Vamos fazê-lo na Île de France, onde se concentra a maioria da comunidade portuguesa, e com isso mostraremos que faz sentido considerar a língua portuguesa como o espanhol, o inglês, o alemão ou o italiano uma língua estrangeira fundamental para as aprendizagens no secundário francês e no progresso para o ensino superior.»

O ensino e promoção do português no estrangeiro assenta numa rede de cursos da responsabilidade do Governo português destinada às comunidades portuguesas, que têm atualmente mais de 70 mil alunos, num conjunto de escolas portuguesas nos países lusófonos, e num sistema de integração do ensino do português nos currículos das escolas secundárias de vários países, além da rede de leitorados e cátedras em universidades. 

Fonte

Notícia da agência Lusa, transcrita do portal Sapo24, com a data de 22 de julho de 2019.