Português para imigrantes e refugiados - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Português para imigrantes e refugiados
Curso de português para imigrantes e refugiados na Universidade de São Paulo
197

O Centro Interdepartamental de Línguas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP) está a promover um curso avançado de conversação e escrita em português para imigrantes e refugiados, de forma gratuita.

As inscrições devem ser feitas presencialmente no dia 07 de agosto, às 16 horas, na Casa de Cultura Japonesa, na Cidade Universitária. Há vinte vagas, que serão garantidas por ordem de chegada. As aulas serão ministradas pela professora Paola Mandalá no mesmo endereço, na sala de reunião do 1.º andar, todas as quartas-feiras, das 16 às 18 horas. O curso tem início em 14 de agosto e termina em 02 de outubro.

O objetivo do curso é oferecer práticas e estudos preparatórios para o exame de proficiência em língua portuguesa Celpe-Bras, que inclui compreensão das etapas oral e escrita da prova, estudo dos gêneros textuais recorrentes no exame, e a realização de um simulado utilizando provas dos anos anteriores, além da ampliação de vocabulário.

Nas edições anteriores do curso, os maiores grupos de refugiados e imigrantes foram de estudantes da Síria e das Filipinas, entre outros países da América do Sul, da Ásia e do Oriente Médio. Algumas mulheres muçulmanas que frequentaram o curso de 2018 levaram seus filhos, que foram acomodados em locais para desenhar e dormir, condição especial para acolher as mulheres que não podem deixar seus filhos em creches para estudar.

A iniciativa possibilita uma integração importante entre a universidade e a comunidade externa, compartilhando os conhecimentos produzidos na academia com os novos membros da sociedade brasileira. 

Notícia original aqui.