Mais "lê" menos "lê"? - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Mais "lê" menos "lê"?

A nova marca "Allgarve", apresentada pelo ministro Manuel Pinho, no passado dia 16, é uma ofensa aos algarvios, a todos os portugueses, a todos os que falam português e a todo o ser vivo pensante.

Ensina-se nas nossas escolas que os árabes entraram na Península Ibérica em 711 e aqui permaneceram cerca de cinco séculos, ocupando a faixa centro-sul. Por isso é que a presença de palavras de origem árabe é extremamente marcante no português actual.

A maneira mais fácil de exemplificar isso mesmo é olhar para a sílaba inicial al- presente em tantos nomes comuns e topónimos (nomes de lugares) do português. É que al- é, em árabe, artigo definido prefixado (ligado à palavra). Só alguns exemplos: alcaide, de al-qaid, com o significado de «o guia»; alqueire, de al-kayl, «a medida de trigo»; algema, de al-jamah, «a pulseira»; álgebra, de al-jabrah, «a redução».

Isto mostra também como os árabes, em muitas áreas, impuseram uma cultura superior à ibérica — sobretudo no que toca à agricultura, à arquitectura, à ciência e à administração.

Alcântara, de al-qantarah, «a ponte de madeira»; Alcácer, de al-qaçr, «o castelo»; Almada, de al-ma'adanâ, «a mina»; Albufeira, de al-buhairâ, «a lagoa que nasce no mar»; Algarve, de al-gharb, «o oeste»…

Então, que tipo de disparate temos em "Allgarve"?

Não é um erro involuntário, semelhante a "Oporto"; não é a triste ideia de traduzir um topónimo português (do género, Castelo Branco — "White Castle"); não é sequer a parolice de traduzir uma parte do topónimo (com seria, Ribatejo — "UpTejo").

É que é mesmo um disparate inclassificável: é a associação arbitrária de tudo a coisa nenhuma.

Mas não é um disparate inconsequente e muito menos gratuito. Trata-se da criação emblemática de uma empresa que anuncia valorizar turisticamente o Algarve e que gastará uma fatia dos 9 milhões de euros do erário público disponibilizados para o efeito.

Sol

Ver também:

"Correio da Manhã", de 18-03-2007

"Público", de 17-03-2007

"Expresso", de 16-03-2007

"TSF", 19-03-2007

"All… garve"?! *

9 milhões para o Algarve se chamar… "All… Garve"

Fonte

*artigo publicado no Semanário "Sol", de 24-03-2007

Sobre a autora

Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as SerrasContos com Nível é o seu último livro. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa