Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
À séria e à balda
À séria e à balda

O leitor Rui Henriques fez-nos chegar uma observação justa relativamente ao uso da expressão "à séria", em vez de a sério, e deu um exemplo: «os alunos prepararam-se à séria para o evento» (Sol, 2-6-07).

Quando falamos (ou escrevemos), fazemos escolhas — de palavras, de expressões, de combinatórias de grupo de palavras, etc. Essas escolhas fazem-se, em grande medida, em função dos contextos. Em registo familiar, podemos ouvir dizer que alguém ou alguma coisa «trabalha à séria», «funciona à séria» — com o sentido de «sem facilitar»; «com profissionalismo e eficácia». Algum dia havia de aparecer uma expressão que permitisse o contrapeso das coisas feitas à balda, à toa, à maluca ou à bruta.

Portanto, se admitirmos a integração de "à séria" na língua, é imperioso atender às restrições fortes de registo ou nível de língua.

Ora, acontece que "à séria" circula à vontade no discurso dos media:

«Arraiais à séria só em Alfama» (Diário de Notícias, 10-6-06);

«Emissão da TV Net arrancou ontem "à séria"» (Jornal de Notícias, 12-12-06);

«Uma semana para cinéfilos à séria» (Sol, 8-2-07).

Mais do que classificar "à séria" como erro absoluto, é de condenar a sua presença nos jornais — que estão obrigados à activação do registo corrente — e, sobretudo, assinalar que muitos falantes do português (nos dois pólos da chamada comunicação de massas) apresentam um défice acentuado no seu arquivo vocabular, que os impede de, em função dos contextos, substituir "à séria" e a sério por expressões alternativas, como com empenho, com determinação; ou aficionado, competente, produtivo, consequente, etc., etc.

Fonte

Artigo publicado no semanário Sol, de 9 de Junho de 2007.

Sobre a autora

Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as SerrasContos com Nível é o seu último livro. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa