Notícias de uma causa comum - Lusofonias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Lusofonias Artigo
Notícias de uma causa comum
Notícias de uma causa comum

texto descritivo da imagem

Uma notícia recente confirmou aquilo que era cada vez mais evidente: o Brasil está a despertar para a política da língua. De acordo com afirmações do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a promoção do português está associada à criação de uma Universidade da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa; ao sublinhar que aquela política é «uma prioridade para o Brasil», o ministro notou ainda que a língua «é um instrumento de cultura, de conhecimento, de comunicação e de ciência».

Declarações como estas valem o que valem, não sendo de excluir que sejam motivadas por alguma conjuntural agenda política (o ministro estava em visita à Guiné-Bissau). Mas elas são, de qualquer modo, um sinal a que importa estar atento. E isto é tanto mais significativo quanto é certo que uma política de língua, sobretudo se orientada para a cena internacional, só terá a ganhar se for assumida, conjunta e solidariamente, pelo maior número possível dos países que têm o português como idioma oficial. Mesmo que a tal universidade não passe, por agora, do anúncio feito, aquele sinal não pode ser ignorado, como não pode omitir-se outra coisa: que, deixando de lado preconceitos (e que eles existem, existem), é fundamental o envolvimento do Brasil, se quisermos que a tal política de língua seja mais do que uma figura de retórica ou um assomo sem continuidade.

Do lado de cá surpreendemos também indícios que levam a pensar que alguma coisa pode estar a mudar. Descontando-se sempre a tal conveniência da conjuntura e a pressão da agenda, é sintomático que o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Luís Amado tenha escolhido uma ida ao parlamento para acentuar a promoção da língua  como uma prioridade para a política externa portuguesa; a também anunciada criação de um fundo (financeiro, subentende-se) destinado a apoiar aquela promoção fora das nossas portas constitui um gesto importante, se bem que não suficiente, para que uma política de língua chegue onde tem que chegar: à afirmação internacional, ao crescimento do nosso idioma em espaços em que isso pode acontecer, ao cancelamento da imagem do português como língua dos excluídos e dos emigrados.

O que fica dito só pode ser aprofundado se  abandonarmos de vez a euforia de lugares-comuns como o dos 230 milhões de criaturas que falam português, esquecendo que muitas delas vivem chocantes situações de carência económica e de desqualificação social, cultural e cívica. E este imenso défice – que é antes de mais um défice de cidadania – tem consequências dramaticamente negativas na afirmação do poder da nossa língua como língua de cultura, de ciência e de civilização. Calemos, pois, o discurso do triunfalismo e vamos ao que importa.

Entre muitas outras coisas, importa reconhecer que, neste plano, abundam as intenções e as iniciativas, mas escasseia a união de esforços e falta a consagração de um pensamento estratégico que eleja a concertação como um dos seus sentidos fortes. A prioridade da concertação afirma-se tanto no eixo do ensino, tendo que ver com a articulação de esforços entre vários agentes, como no eixo da distribuição geográfica, implicando a conjugação de recursos, em cenários que o justifiquem. Ao mesmo tempo, a concertação deve ser valorizada no quadro de interesses comuns aos diversos países de língua oficial portuguesa, com destaque para o Brasil, que é um aliado, não um inimigo. A isto juntam-se outras possibilidades: as alianças estratégicas com agências e com agentes económicos, com fundações e em geral com entidades da sociedade civil detentoras de potencial de actuação neste domínio. E como é sobretudo aqui que as intervenções político-diplomáticas se revestem de um importância considerável, passe-se a palavra aos protagonistas para que eles falem e ajam de forma clara e expressiva.

Fonte

artigo publicado originariamente na revista Visão de 29 de Maio de 2008

Sobre o autor

Carlos Reis (Angra do Heroísmo, 1950) é ensaísta, professor da Universidade de Coimbra e ex-reitor da Universidade Aberta, em Lisboa.  Especializado em Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX e em Teoria da Narrativa, publicou, sobre esta área, vários livros de prestígio internacional e assinou dezenas de artigos em revistas universitárias. Catedrático de renome, tem sido professor convidado em muitas outras universidades. Exerce também larga atividade em diversos jornais e revistas, dando colaboração regular no Jornal de Letras, Artes e Ideias. Entre várias distinções atribuídas, contam-se o Prémio de Ensaio Jacinto do Prado Coelho em 1996. É Comendador da Ordem de Isabel la Católica, Benfeitor do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro e doutor honoris causa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Autor dos blogues Eça de Queirós (investigação, ensino e debate sobre temas queirosianos) e Figuras de Ficção.