Um uso brutal - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Um uso brutal
Um uso brutal
Da extensão dos sentidos de uma palavra

Quando abrimos as páginas de um clássico e, pelas mãos de Eça de Queirós, lemos:

«A expressão brutal escandalizou as delicadezas de Artur e o seu desprezo por Rabecaz foi completo quando o ouviu declarar, com o olho lúbrico, que o que apreciava no gado eram «as boas carnes».» (A Capital)

escandalizamo-nos por simpatia com Artur e saboreamos não sem ironia os sentidos que emanam do adjetivo brutal, impecavelmente escolhido para pintar o robusto Rabecaz como uma figura rude e grosseira que desconhecia a singeleza do elogio tecido de belas e sedutoras palavras.

Vergílio Ferreira, nas suas páginas, embala-nos na memória da origem etimológica de brutal, na sua forma latina brutale-, com o significado primordial de  “irracional”, “selvagem”, “próprio dos animais”. A descrição da voz de Valongo explora estas aceções, procurando pintar um caráter aviltante:

«Havia talvez um mundo obscuro de vozes que se comunicam - a da noite pesada de humidade, a voz de sangue do amigo, a voz brutal do Valongo.» (Apelo da noite)

 A palavra brutal exalou durante longos tempos toda uma panóplia de sentidos disfóricos que não eram alheios à violência ou à selvajaria, patentes, por exemplo, no esboço da desumanidade de um marido «muito grosseiro e brutal» (Maria Velho da Costa et al., Novas cartas portuguesas) ou na realidade chocante associada a um «brutal egoísmo» (Fernando Namora, O trigo e o joio).

Brutais também, que é o mesmo que dizer “chocantes”, são os novos sentidos que a palavra adquiriu em contextos informais. Mostrando-se capaz de uma plasticidade muito própria, observamos, atualmente, o mesmo adjetivo brutal sair do domínio disfórico para surgir no campo das avaliações positivas, ou melhor, extremamente positivas. Ora repare-se:

«− Gostaste do filme?

 − Brutal!» (Leia-se “Fantástico”)

«− Como foi o ambiente do festival?

 − Brutal!» (Entenda-se “Muito intenso”)

«− Este prédio é brutal!» (Compreenda-se “Enorme”)

«− Nunca falei com ninguém assim. Ele é brutal!» (Interprete-se “Fora do comum”)

E assim, o devir da palavra brutal conseguiu estender os seus sentidos até ao seu contrário, e, sem perder o significado original, juntar a todas as suas entradas de dicionário um uso próximo da interjeição.

Esta elasticidade coloca-nos, não obstante, um problema quase metafísico. Se nos disserem «O cozinheiro é brutal», devemos ir cumprimentá-lo ou fugir a sete pés? E se alguém afirmar «Estou a viver uma situação brutal», devemos confiar nos sentidos modernos e rejubilar, ou regressar aos sentidos originais e oferecer ajuda? Nesta situação, fingir que não se ouviu é que pode ser brutal!

Sobre a autora

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.