Qual é a origem das palavras «coração», «amor» e «desejo»? - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Qual é a origem das palavras «coração», «amor» e «desejo»?
Qual é a origem das palavras «coração», «amor» e «desejo»?
Histórias de palavras

Não sei bem se o meu caríssimo leitor gosta deste dia — pelo menos, enquanto Dia dos Namorados ou de São Valentim. Tudo dependerá da sua tolerância ao kitsch ou a tradições mais ou menos importadas — e também da sua situação actual no que toca a relações pessoais…

Pois bem: mal ou bem, o dia está aí. Assim, lembrei-me de ir procurar a origem da palavra que dá nome a esses símbolos que nos invadem os olhos neste dia (ou pelo menos invadem os olhos de quem gosta de olhar para a publicidade).

Qual a origem de «coração»?

Esta palavrinha tem origem — bastante clara — na palavra latina «cor». No entanto, em muitas línguas ibéricas, este «cor» latino ganhou um sufixo que nos parece um aumentativo: «coração».

A palavra com esta forma («cor»+sufixo) existe na nossa língua e no espanhol — mas também no asturiano, leonês e mirandês (que serão três nomes para a mesma língua), no aragonês — e até no velhinho moçárabe, o latim da área governada pelos muçulmanos ibéricos.

É uma palavra bem ibérica! Com excepções: o basco, que já cá andava muito antes de alguém falar latim por estes lados, chama ao músculo «bihortz». Mas também nas línguas latinas há pelo menos uma excepção: quando chegamos ao catalão encontramos uma forma mais próxima do latim: «cor».

Reparemos que encontramos uma palavra com a mesma forma na nossa expressão «saber de cor» — saber de coração.

A partir daí, temos variações da palavra latina: o «còr» occitano, o «cœur» francês, o «cuore» italiano… — até chegarmos ao romeno «cord». No entanto, temos uma surpresa. A palavra mais comum para «coração», em romeno, não é esse «cord» (que existe), mas sim «inimă». De onde vem esta palavra tão diferente? Da «anima» latina, ou seja, da alma.

E, claro, o coração sempre quis dizer muito mais do que um órgão do corpo. É a alma, a consciência, o amor…

Qual a origem de «amor»?

E é por isso mesmo, por ser o símbolo do amor entre duas pessoas, que o coração aparece tanto neste dia. Pois bem, donde vem a palavra «amor»? Para não variar, vem do latim «amor»…

Ora, já sabemos que o latim não apareceu do nada — esta palavrinha muito importante veio do proto-indo-europeu, em concreto da forma «*amma», que quereria dizer «mãe» (ou «tia») em linguagem de criança. Ou melhor, esta é uma das teorias. Não há certezas — mas, se for verdade, significa que a palavra «amor» terá vindo da relação entre mãe e filho.

Ah, mas o amor que hoje é tema de jantares e prendas e publicidade a rodos não é esse… É outro amor, bem mais físico, mais inconstante, que nos deixa rapidamente o coração a bater só com o olhar.

Pois, sendo assim, vejamos a origem da palavra «desejo»…

Qual a origem de «desejo»?

Pois, lá vamos nós escavar até à origem da palavra. Aqui há também muitas dúvidas — mas uma das hipóteses é esta: a palavra terá vindo de «desidero», cujo «sider» talvez se relacione com «sidus», «constelação» ou «estrela», palavra donde nos apareceu, aliás, a palavra «sideral». Por outro lado, «desejo» também poderá estar relacionado com «desidĭa-», que significava preguiça ou indolência.

Não consigo agora resolver a questão — mas não fica mal dizer que o desejo tem, dentro de si, as estrelas (em certos momentos) e uma boa dose de indolência (acima de tudo se for concretizado).

O desejo tem em si as estrelas. Uma boa frase, talvez de duvidoso rigor etimológico, mas que tem aquela pitada de kitsch tão necessária neste dia. Esta ligação perigosa lembra-me, aliás, um dos factos mais curiosos sobre o nosso mundo: a Terra e tudo o que por cá existe apareceu de materiais deixados no espaço pela explosão das primeiras estrelas. Sim: tudo o vemos é feito de pó de estrelas, incluindo o nosso coração, o nosso cérebro, o nosso corpo enfim — e tudo o que desejamos. Perdoem-me este desenlace sonhador: é do dia!

Falta dizer isto: esta pequena viagem fica dedicada, se o leitor me permitir, à Zélia…

Fonte

Crónica que o professor universitário e tradutor Marco Neves publicou no blogue Certas Palavras (13/02/2019).