«Ela foi "pouca" esperta» - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
«Ela foi "pouca" esperta»
«Ela foi "pouca" esperta»
Um erro de concordância

« (…) foi nessa minha ‘manta branca’ onde, num pequeno deslize, caiu a nódoa. “As minhas colegas foram poucas espertas ao tentar copiar.” (…)»

 João foi meu aluno de português. Dava-lhe aulas particulares. Era muito inteligente e, honestamente, não precisava de um professor ao domicílio. Achava que era excesso de zelo por parte da mãe, dona Fátima. Um jovem, na época, de mais ou menos 16 anos. Tinha uma dicção invejável. Pudera. Passava grande parte do tempo a ver televisão, os melhores canais, lia dos melhores livros e conversava com os colegas da escola portuguesa, diga-se, muito bem posicionada.

Nunca precisei de lhe deixar tarefas para o dia seguinte. Àquele nível, o jovem resolvia-os na hora. Aliás, ele tinha, para as aulas, os mesmos livros que eu, como é obvio, salvo aquelas gramáticas complexas de Maria Helena Mira Mateus e as outras 12 mulheres. Que livro complicado!

Ele sabia usar a língua correctamente. Isso é que importava. Queria lá ele saber o que são adjectivos, advérbios, sujeito ou predicado? Nem pensar. Usava tudo direitinho. Mas foi nessa minha ‘manta branca’ onde, num pequeno deslize, caiu a nódoa. «As minhas colegas foram poucas espertas ao tentar copiar».

Longe de mim que por aí também houvesse apetência para cábulas. Pelo menos foi o que (me) disse o meu querido aluno. Se tivesse ­ficado por «entre as minhas colegas, são poucas as espertas», não haveria problema nenhum, pois ‘poucas’, neste caso, funciona como um pronome indefi­nido e, como tal, é uma palavra que pode variar em número e em género (poucopoucos; poucapoucas). P.e: «Tenho pouco tempo»; «Ela comprou poucos livros»;« Ele teve pouca sorte»; «Entre as minhas colegas, são poucas as espertas».

A palavra pouco, no entanto, para além de quanti­ficador existencialpronome indefi­nidoadjectivo, e até substantivo, também funciona como uma palavra invariável, como advérbio. Neste caso, ela não muda nem de género, nem de número. Trata-se de uma palavra invariável, como já referi atrás, em género e número, que funciona como modifi­cador de sentido do verbo, adjectivo e, às vezes, do próprio advérbio.

A palavra esperta é um adjectivo e pouco, advérbio, aparece para lhe modi­car o sentido. O oposto seria muito. Muda apenas o nome, substantivo. O advérbio mantém-se inalterável. Acho até que este é um assunto um pouco fácil, não? Ou poucos entenderam?

Fonte

Crónica do autor publicada na sua coluna “Professor Ferrão” do semanário angolano Nova Gazeta, no dia 22/11/2018, escrita conforme a norma ortográfica em vigor em Angola, anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Sobre o autor

Edno Pimentel é professor do ensino secundário em Luanda e assina no jornal Nova Gazeta a coluna Professor Ferrão sobre os usos da língua portuguesa em Angola.