Aderência e adesão, mandado e mandato e solarengo e soalheiro - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Aderência e adesão, mandado e mandato
e solarengo e soalheiro

1. Ouviu-se, num programa de televisão recentemente transmitido ["Prós e Contras", RTP 1, de 10 de Março de 2008], referir a «aderência aos processos democráticos». Aderência ou adesão: qual o termo a utilizar neste caso?

As palavras adesão e aderência são muitas vezes consideradas sinónimas, pois ambas exprimem a ideia de ligação. Utilizam-se, no entanto, em contextos diferentes.

Por exemplo, deverá dizer-se «a adesão do público português aos filmes», e não «a aderência do público aos filmes».

O termo adesão é utilizado normalmente em relação a pessoas, enquanto o termo aderência se utiliza em relação a coisas, a substâncias.

A palavra adesão tem o significado de «união», «junção», «acordo», «aprovação», «manifestação de apoio ou de solidariedade», «ligação ideológica», podendo ser utilizada em expressões deste género: a adesão a um tratado, a adesão a uma doutrina ou a um princípio, a adesão a um modo de vida, a uma ideia, a um partido político, a adesão a uma moda, a adesão aos filmes, ao teatro, à literatura. No conceito de adesão está presente o pensamento, a vontade, o sentimento de quem adere, de quem aprova, de quem escolhe.

A palavra aderência designa a «qualidade do que é aderente», o «acto de aderir», a «ligação de superfícies», a «ligação de uma substância a outra», podendo ser utilizada em expressões deste género: a aderência dos pneus à estrada, a aderência da terra ao arado, a aderência da sujidade à pele, a aderência do pó aos móveis. A palavra aderência utiliza-se, pois, quando se pretende designar alguma substância ou matéria que está aderente a algo, ou referir uma ligação concreta, material, normalmente de pouca solidez ou que se pode vir a separar.

Assim, deverá dizer-se, respondendo à pergunta formulada no início, «a adesão aos processos democráticos».

2. Duas outras palavras também por vezes objecto de confusão são mandato e mandado. Será um mandato ou um mandado de captura?

O mandato é o poder concedido, por meio de votação, a uma pessoa ou partido político durante um determinado período, o encargo, a delegação. Trata-se de uma palavra da mesma família do verbo mandatar: quem recebeu ou tem um mandato foi mandatado para desempenhar uma função ou para cumprir uma missão. O mandato designa, pois, as funções ou obrigações ou ainda uma autorização ou procuração que alguém confere. Daí que o povo atribua competências a deputados, por exemplo, tendo cada parlamentar um mandato para cumprir.

Quanto à palavra mandado, ela designa a determinação escrita emanada de autoridade judicial ou administrativa. È uma palavra formada do verbo mandar: alguém, com poder institucional, mandou, deu uma ordem que tem de ser cumprida.

Trata-se, assim, de um mandado de captura, uma ordem para capturar alguém.

3. Há, também, alguma hesitação no emprego das palavras solarengo e soalheiro, ouvindo-se, por vezes, a expressão «dia solarengo» no sentido de dia com muito sol.

Ora a palavra solarengo é um adjectivo que significa «relativo ou pertencente a solar», a moradia de família nobre ou importante, como por exemplo «as casas solarengas de Lisboa». Solar é uma palavra derivada de solo. Um nobre que tinha uma casa de família com alguma imponência também tinha terras, solo: o solar pertencia à propriedade, ao solo.

A palavra que designa o dia com sol, quente, ou o sítio exposto ao sol, aquecido pelo sol, banhado pelo sol, é soalheiro.

Dia de sol, dia soalheiro, é normalmente bem-vindo.

 

Fonte

*artigo publicado no Diário do Alentejo de 14 de Março de 2008, na coluna “A vez… ao Português”

Sobre a autora