Acordo Ortográfico pode nunca entrar em vigor - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Acordo Ortográfico pode nunca entrar em vigor

«Não pode mais acontecer darmos livros didáticos para Angola e eles serem queimados porque a ortografia é diferente», argumenta-se do lado brasileiro. A verdade é que tudo volta a estar em aberto, por causa das reticências portuguesas e do silêncio das autoridades angolanas.

A unificação ortográfica dos países de língua portuguesa, que vem sendo protelada desde a assinatura do acordo, em 1991, «pode nunca entrar em vigor». Foi o que admitiu ontem o presidente da Comissão de Definição da Política de Ensino, Aprendizagem, Pesquisa e Promoção da Língua Portuguesa (Colip), Godofredo de Oliveira Neto. «Não faz sentido começar um acordo de unificação já desunidos», disse ele, sobre o fato de apenas três dos oito países da Comissão de Países de Língua Portuguesa (CPLP) terem ratificado o documento. Oliveira reuniu-se ontem com representantes dos ministérios da Educação (MEC) e das Relações Exteriores, lingüistas e gramáticos das principais universidades do País, no Palácio Gustavo Capanema, no Rio. Para o secretário de Educação Superior do MEC, Ronaldo Motta, que participou da reunião, a adesão de Portugal e Angola, que ainda não ocorreu, é estratégica para a unificação ortográfica. «Favoreceria o intercâmbio cultural, educacional, didático e até econômico do Brasil com os países de língua portuguesa», afirmou. De acordo com Motta, o MEC retomou as discussões para implementação do acordo como parte da política externa do Governo Luiz Inácio Lula da Silva, de aumentar a área de atuação do Brasil no continente africano. «Não pode mais acontecer doarmos livros didáticos para Angola e eles serem queimados porque a ortografia é diferente», disse. A reforma ortográfica, que, entre outros itens, abole o trema e os acentos diferenciais, já poderia ter entrado em vigor desde dezembro de 2006, quando São Tomé e Príncipe ratificou o documento. O acordo previa que, se fosse assinado por três países, já poderia ser implementado nesses lugares. O Brasil foi o primeiro a ratificá-lo, em abril de 2004, seguido de Cabo Verde. Além de Portugal e Angola, faltam ratificar o documento Moçambique, Guiné Bissau e Timor-Leste.

Intelectuais portugueses contra «brasilianização da ortografia»

Intelectuais portugueses consideram a assinatura do acordo uma «brasilianização da ortografia», já que haveria mais palavras portuguesas do que brasileiras modificadas, afirmou. No Brasil, menos de 0,5% dos vocábulos seriam alterados. Em Portugal, seriam 2%. «Sugerimos que se façam campanhas de divulgação, mas também queremos ouvir os intelectuais que criticam a unificação, para saber até que ponto eles desconhecem o assunto ou se podem ter alguma razão», disse Oliveira.

Fonte

in Jornal do Commercio de 15 de Setembro de 2007