Acordo Ortográfico: Moçambique prevê ratificar, Angola ainda não - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Acordo Ortográfico: Moçambique prevê ratificar, Angola ainda não
Acordo Ortográfico: Moçambique prevê ratificar, Angola ainda não
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 1K

Na VIII Reunião dos Ministros da Educação da Comunidade dos Países Língua Portuguesa (CPLP), realizada em Maputo, no dia 17 de abril, a aplicação do Acordo Ortográfico (AO) foi tema de análise. Sobre esta questão, o secretário executivo da CPLP, e também diplomata moçambicano, Murade Murargy, avançou que a ratificação do Acordo Ortográfico por Moçambique poderá ocorrer até ao final da presente legislatura do país. Mas o ponto 6 da declaração final deste encontro sugere que Angola continua reticente e o processo de generalização da reforma ortográfica a toda a CPLP pode demorar – citemo-lo:

«[Os ministros da Educação da CPLP decidem] [i]nstar o Conselho Científico do IILP [Instituto Internacional da Língua Portuguesa], através do Secretariado Executivo da CPLP, a incluir na agenda da sua próxima reunião os seguintes pontos, para análise e pronunciamento:
♦ Parecer oficial sobre o Acordo Ortográfico de 1990, apresentado por Angola;
♦ Diagnóstico relativo aos constrangimentos e estrangulamentos na aplicação do Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa de 1990;
♦ Ações conducentes à apresentação de propostas de ajustamento do Acordo Ortográfico de 1990, na sequência da apresentação do referido diagnóstico; [...].»

A propósito desta decisão, observe-se que o IILP tem agendada uma reunião do seu Conselho Científico para os dias 12 e 13 de maio, em Cabo Verde. Entretanto, é de recordar que a reforma ortográfica está a ser aplicada no Brasil e em Portugal, esperando-se que o mesmo processo comece noutros países lusófonos que já ratificaram o AO, ou seja, Cabo Verde, bem como São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Timor-Leste. E, como já foi aqui noticiado, refira-se que os trabalhos para a elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum (VOC) têm prosseguido como previsto, contando já com os vocabulários ortográficos nacionais do Brasil, de Moçambique, de Portugal e de Timor-Leste.

Em Portugal, a Direção-Geral da Educação (DGE) promove a Conferência Internacional Português Língua não Materna no Sistema Educativo: Avaliação de Impacto e Medidas Prospetivas, no dia 6 de maio de 2014, no Centro Cultural de Belém – Sala Sophia de Mello Breyner. A Ciberescola da Língua Portuguesa participa nesta iniciativa, cujo objetivo é apresentar o estudo Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua não Materna no Sistema Educativo Português, o qual foi elaborado por uma equipa de investigação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (aceder ao programa provisório e ao formulário eletrónico para inscrição).

Assinale-se a realização do 21.º Colóquio da Lusofonia em S. Miguel, nos Açores, de 24 a 27 de abril de 2014. A edição deste ano é especialmente dedicada aos 40 anos de liberdade de expressão em Portugal e à mulher na escrita.

A respeito da publicação, no Diário Oficial da Galiza, da Lei 1/2014 para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a lusofonia, que foi aprovada por unanimidade no Parlamento desta região autónoma de Espanha, o programa Língua de Todos de sexta-feira, 25 de abril (às 13h15* na RDP África, com repetição aos sábados, depois do noticiário das 9h00*), ouve Ângelo Cristóvão, membro da Academia Galega da Língua Portuguesa. O Páginas de Português de domingo, 27 de abril (na Antena 2, às 17h00*), convida a eurodeputada Edite Estrela a falar sobre a (falta de) importância da língua portuguesa nas instituições da União Europeia; esta emissão inclui ainda uma crónica de Ana Sousa Martins sobre tradução e a rubrica Ciberdúvidas Responde, conduzida por Sandra Duarte Tavares.

Ajude o Ciberdúvidas a enfrentar os custos de manutenção deste serviço gracioso e sem fins lucrativos, consagrado aos mais variados temas da língua portuguesa. Desde já, os nossos agradecimentos pelos contributos que forem enviados.