Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades - Antologia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Outros Antologia Artigo
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades


Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.


Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem – se algum houve – as saudades.


O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e enfim converte em choro o doce canto.


E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto:
que não se muda já como soía.

 

* Abrimos uma excepção: nesta antologia, em que apenas entram textos sobre a Língua Portuguesa, incluímos agora um soneto com outro tema. Por dois motivos: porque o grande poeta português justifica a excepção e porque o tema da mudança não é alheio a nenhuma língua. O sentido do último verso («que não se muda já como soía») tem motivado controvérsia. Mas houve quem, baseado na ode «Já a calma nos deixou», o interpretasse assim: tudo muda, menos o rigor da mulher amada. Especulando, poderíamos dizer algo semelhante acerca do rigor da língua. Mesmo depois de morta, como é o caso da latina, o rigor permanece. Evidentemente: enquanto houver alguém que a essa língua se devote.
— J.C.B.

Fonte
"Lírica Completa II", Imprensa Nacional, Casa da Moeda, Lisboa, 1980, com introdução e not

Sobre o autor

Luís de Camões (Lisboa [?], 1524 – Lisboa, 1580) foi um poeta do séc. XVI considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa. A sua maior obra foi Os Lusíadas, epopeia que narra e glorifica os feitos heroicos portugueses. Pela grandeza da conceção, realismo das descrições e lirismo de vários episódios, conhecimento técnico, literário, histórico e geográfico, Os Lusíadas é uma das obras mais importantes do Renascimento.