A Queda da Língua - Antologia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Outros Antologia Artigo
A Queda da Língua

Os jornais multiplicam-se em opiniões sobre a degradação da língua.

Uma nação a cair – e a nação portuguesa sem um Estado digno do nome dificilmente evita uma crise grave – inclui uma língua a degradar-se. A ordem dos factores é essa.

Seguindo a França, Portugal pretendeu ser também feito de palavras. São estas que estão a perder-se, a perder o rigor, tal como acontece aos portugueses.

A excitação que tem percorrido e conduzido a sociedade é, toda ela, uma manifestação de oposição ao classicismo, ao que era adquirido, ao estilo – embora essa oposição seja feita em nome de mil «estilos».

Minada a razão, rejeitada a ordem, sem que outros valores e gostos engrandecidos lhes tomassem, naturalmente, os lugares, a língua teria de ser banalizada. E como a lógica também foi alterada, teríamos de, ao escrever e ao falar, procurar o vazio, o impreciso, em busca de nova hierarquia que, quando tem conseguido aflorar, não consegue firmar-se, tantas são as suas imprecisões.

Vivemos numa escala de erros. Como seria possível escrever sem eles? Mesmo os que lutam contra a degradação e a vulgaridade fazem-no com sarcasmo porque este é, ainda, um sinal de vida perante a mortal iliteracia.

Deseja-se melhorar o português nas escolas. Mas como, se não há uma razão, um estilo, uma emoção nacionais fora das escolas?

Sem dar à Nação o que se lhe deve — a começar pela dignidade do Estado —, não se vê como travar a degradação da língua.

 

Fonte

In "Os Dias de Amanhã", Contexto Editora, Lisboa, 1999

Sobre o autor

Victor Cunha Rego (Oeiras, 1933 – Lisboa, 2000), licenciado em Direito pela Universidade de Grenoble, foi um jornalista e diplomata português. Antes de partir para o Brasil, viagem motivada pela censura do Estado Novo, trabalhou na redação do Diário Ilustrado. Já no Brasil, trabalhou em jornais como O Estado de S. Paulo, Última Hora e no Folha de S. Paulo. Não se ficou neste país exilando-se, após a instalação da ditadura brasileira, na Argélia, na Jugoslávia e em Itália. Regressa a Portugal após o 25 de Abril.