A Língua Portuguesa em Moçambique - Antologia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Outros Antologia Artigo
A Língua Portuguesa em Moçambique

Devia falar de letras, começo por números. Apenas 40 por cento de moçambicanos falam português. E falam-no como segunda língua. Só 3 por cento têm no português a sua língua materna.

O idioma português não é a língua dos moçambicanos. Mas, em contrapartida, ela é a língua da moçambicanidade. Há 30 anos, a Frente de Libertação de Moçambique, ainda na guerrilha anticolonial, viu no idioma lusitano uma arma para a unificação do país e a construção da Nação. Aquele instrumento que servira a dominação colonial se convertia, nas mãos dos nacionalistas, no seu contrário - um troféu de guerra, um pilar de afirmação.

Em 1975, cerca de 80 por cento dos moçambicanos não falavam português. A popularização da língua é obra da independência e os números com que abro este texto devem ser lidos nessa tendência de mudança.

Mas esta apropriação da língua nacional coloca em risco as mais de 30 línguas indígenas dos diferentes grupos étnicos. Como garantir um convívio sem hegemonia? Existem sinais salutares de experiências de ensino bilingue. Contudo, o destino das línguas é governado por outras, mais profundas razões.

Todos os escritores moçambicanos escrevem em português. Fazem-no porque sentem em português, vivem em português. Porém, é já um português outro, uma língua afeiçoada à cor e à textura da nação moçambicana. Talvez essa seja uma resposta.

Fonte

Texto publicado na antologia galega "Do músculo da boca", Ed. Encontro Galego no Mundo, Santiago de Compostela, 2001.

Sobre o autor

Mia Couto (Beira, 1955) é um escritor moçambicano. Tem uma vasta obra literária muito diversificada, que inclui a poesia, o conto, o romance e a crónica. Foi jornalista, com passagens pela Tribuna, pela revista Tempo e pelo jornal Notícias. Em 1983 estreia-se com o livro de poesia Raiz de Orvalho. Publicou, entre muitas outras obras, Terra Sonâmbula (1992), O Último Voo do Flamingo (2000), Um Rio Chamado Tempo, uma Casa Chamada Terra (2002) do qual foi feito um filme, O beijo da palavrinha, com ilustrações de Malangatana (2006) e A Confissão da Leoa (2012). Vencedor de numerosos prémios de que se destaca o Prémio Camões em 2013.