Sobre o bem-disposto - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre o bem-disposto

Em 22-11-2001, JNH respondeu assim a «Qual a função sintática de bem-disposto em: Seu Zé acordou bem-disposto?»: Seu Zé acordou bem-disposto – É complemento circunstancial de modo da forma verbal acordou.

Por outro lado, em Hífen 2 diz-se que «Usa-se o hífen ... nos vocábulos em cuja formação entram os prefixos: ... bem – Antes de vogal e h, quando na pronúncia se ouve o ditongo ei: bem-amado.» Logo será bemdisposto, tal como maldisposto. Será?

Obrigado.

Paulo Oliveira Oeiras, Portugal 10K

Responde-lhe o muito bom Dicionário Houaiss, na entrada do elemento compositivo bem-: «emprega-se seguido de hífen antes de palavra começada por vogal se com ela se crê haver uma unidade semântica; o que torna difícil para o decisor saber se há essa unidade semântica é o facto de ela ser mais função da frequência de uso das suas unidades juntas do que mesmo a corporificação da unidade semântica; essa unidade semântica nem é facilmente sistematizável, nem é facilmente interiorizável: bem-acabado, bem-apessoado, bem-educado, bem-estar, bem-intencionado (...); a forma bem- também ocorre com palavras iniciadas com consoante (inclusive b-) desde que a suposta unidade semântica seja considerada: bem-bom, bem-comportado, bem-disposto, bem-falante, bem-humorado, bem-vindo (...); há também formas aglutinadas: bendito, benfazejo, benfeitor, benquisto (...); é patente que ao falante [ou àquele que escreve] cabe uma grande margem de decisão em relação ao facto de empregar ou não o hífen em ocorrências comparáveis.»

Rui Gouveia