O uso de post scriptum (P.S.) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso de post scriptum (P.S.)

Segue-se à abreviatura P. S. (já agora, o correto é P. S., P.S., PS. ou PS?) algum sinal de pontuação para introduzir o que se escreveu depois, ou não se deve pôr nenhum? Já observei o uso de dois-pontos, travessão e até parênteses, embora particularmente tenda a dispensá-los. Aproveitando o ensejo, deve-se escrever o que vier a seguir com letra capitular, estou certo? Abaixo está um exemplo de como utilizo o recurso.

P. S. Oportunamente, a expressão latina correspondente deve ser grafada com hífen?

Parabéns pelos excelsos serviços prestados à língua portuguesa e aos seus falantes.

Luan Côrtes Estudante Feira de Santana, Brasil 24K

1. Como qualquer abreviatura, a de post scriptum leva obrigatoriamente os pontos imediatamente a seguir às respetivas iniciais, sendo a mesma grafada do seguinte modo: P.S. (cf. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Porto Editora, 2009). Portanto, não há espaço ente a primeira inicial seguida de ponto – P. – e a 2.ª, simbolizada por S.

2. A seguir à abreviatura, é opcional o uso do travessão (P.S. —) ou dos dois-pontos (P.S.:). Aqui no Ciberdúvidas preferimos o travessão: P. S. —.

3. Como se inicia uma frase logo a seguir ao post scriptum, a letra inicial deve ser em maiúscula (capitular).

4. Por último, e como já se deve ter apercebido, a expressão latina não tem hífen (seguindo a norma da grafia original), o que não sucede com a sua tradução, que é hifenizada — pós-escrito (idem).

José Mário Costa