A grafia de nações da Europa de Leste - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A grafia de nações da Europa de Leste

A minha dúvida prende-se com as grafias corretas de alguns países cuja independência é pouco ou nada reconhecida pela maioria dos Estados soberanos do mundo (entre eles, todos os lusófonos). O que é facto é que, seja devido a guerras ou conflitos étnicos, estes países acabam por ser referidos em serviços noticiosos em língua portuguesa. E quando o são, são-no ou em formas muitas vezes estranhas ao português ou através de puras colagens de transliterações para o inglês.

Os países a que me refiro são:

– a República do Kosovo (Cosovo, Kossovo, Cóssovo, Cossovo?),

– a República (Autónoma) da Abkhazia (Abecásia, Abecázia, Abcásia, Abcázia?),

– a República do Nagorno-Karabakh (Lernayin Garabag, Yuxari Qarabag, Nagorni Karabakh, Alto-Carabaque, Alto Carabaque, Alto-Karabakh, Alto-Garabague, Alto-Carabague, Karabakh Montanhoso?) e

– a República Moldava Transnistriana (Transdniestriana, Pridnestroviana, Nistreniana?), mas conhecida como Transnistria (Transnístria, Transdnístria, Transdniéstria, Transdniestre, Trans-Dniestre, Trans-Danastro, Transdanástria, Nistrénia, Pridnestrovie, Pridnestróvia?)

Entendendo que o assunto foi já aflorado no Ciberdúvidas, gostaria de saber o que dizem os meus caros sobre o assunto e, se possível, de saber que diferentes fontes (se as houver!) preconizam esta ou aquela grafia, e quais os respetivos gentílicos.

Joao G. Pais Estudante Lisboa, Portugal 5K

Quanto a possíveis fontes a consultar, aconselhamos a leitura da resposta, em linha no Ciberdúvidas, intitulada A grafia portuguesa de topónimos estrangeiros, e ainda poderá consultar o Dicionário de Gentílicos e Topónimos. Outras fontes úteis nesta questão serão, evidentemente, o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves, e o Dicionário Enciclopédico Lello Universal.

Nas referidas fontes, e de acordo com o novo Acordo Ortográfico, recomenda-se o uso das seguintes grafias:

Kosovo (região); Kosovar (gentílico);

Abecásia ou Abecázia (região); Abecásio ou Abecázio (gentílico) – ainda não generalizada uma das duas formas.

Quanto às duas outras regiões que o consulente refere, apesar de, à semelhança das primeiras, a sua independência ser pouco ou nada (re)conhecida, agrava-se o facto de serem pouco referidas em língua portuguesa, exceptuando os serviços noticiosos. Desta forma, resta-nos, portanto, indicar como recurso o corpus do CETEMPúblico, que, relativamente à terceira região, nas suas 162 ocorrências, apenas regista as variantes Alto Karabakh/Nagorno Karabakh, nenhuma das outras. Quanto à quarta e última região, a mesma fonte apresenta uma ocorrência de Transnistria, outra de Transdniéstria, duas ocorrências de Transdniestre, quatro ocorrências de Transnístria e, igualmente, quatro de Pridnestrovie (acrescentemos – esta é a forma mais próxima do original).

Como podemos ver, mesmo numa só fonte não há uma generalização dos topónimos. Talvez essa generalização venha a ocorrer no caso de um maior contato português com essas regiões, ou caso a sua independência seja reconhecida, até lá, qualquer uma das formas acima citadas é lícita. Por fim, para estas duas últimas regiões, cujos gentílicos não são oficializados, parece-nos ser preferível utilizar a expressão «habitante de» ou «oriundo de».

Sempre ao dispor.

Ana Carina Prokopyshyn
Tema: Uso e norma