Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Novo Dicionário de Comunicação
Alexandre Borges, Alexandre Luz, Gabriel Santos, Joana Valeriano, Madalena Botelho, Pedro Correia, Ricardo Coutinho, Rodrigo Moita de Deus, Rui Estrela, Salomé Serra, Sara Dias, Tiago Teixeira e Tomás Aranha
Editora Chiado, 2015 2K

O mundo da comunicação tem vivido transformações tão intensas e de tão grande celeridade que se mostra pertinente a realização de um dicionário sobre esta temática. A atualização permanente exige-se nesta área.

Um grupo de jornalistas portugueses escreve sobre comunicação de massas, elaborando o Novo Dicionário Comunicação da Editora Chiado, outubro de 2015. São autores Alexandre Borges, Alexandre Luz, Gabriel Santos, Joana Valeriano, Madalena Botelho, Pedro Correia, Ricardo Coutinho, Rodrigo Moita de Deus, Rui Estrela, Salomé Serra, Sara Dias, Tiago Teixeira e Tomás Aranha;  Luís Paixão Martins faz o prefácio. É uma obra dirigida a profissionais da comunicação social, estudantes desta área e todos aqueles interessados em fenómenos da comunicação social, do jornalismo, do marketing e da comunicação, no geral,  sensibilizando-os para as novas terminologias que estão sempre a evoluir no mundo globalizado. Nesta perspetiva, não é de estranhar que os anglicismos técnicos, fundamentais para quem se preocupa em se manter informado sobre o que se passa pelo mundo, sejam parte integrante da obra. Como em qualquer dicionário, a pesquisa faz-se por ordem alfabética.

Pena é que o News Museum, entidade promotora desta obra, um espaço em Sintra tornado biblioteca para aqueles que se interessam pela história das estórias dos meios de comunicação social, tenha adotado um anglicismo para o seu nome no contexto português, cujo idioma nacional é, já por si, sujeito à invasão de estrangeirismos desnecessários... muito, precisamente, pela insensibilidade dos jornalistas portugueses para com a sua própria língua.

Filipe Carvalho