Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Mundo do Português e o Português no Mundo afora:
especificidades, implicações e ações
Maria Luísa Ortiz Alvarez / Luís Gonçalves (orgs.)
Pontes Editores, 2016 3K   

O Mundo do Português e o Português no Mundo afora: Especificidades, Implicações e Ações, com a organização dos linguistas Maria Luísa Ortiz Alvarez e Luís Gonçalves, é uma abordagem de sete especialistas em outros tantos sete domínios: Contextos e enquadramentos da língua portuguesa; As diásporas dos países de língua portuguesa e a sua herança cultural; Recursos, ferramentas e desafios dos programas de Português como língua de herança; Novos espaços do Português como língua estrangeira nos países de língua portuguesa; Contextos e desafios do ensino do Português no mundo; reflexões sobre o ensino e o aprendizado da língua portuguesa; e Ensino do Português e as novas tecnologias.

Entre esses sete contributos, conta-se o de anterior diretor executivo do Instituto Internacional da Língua PortuguesaGilvan Müller de Oliveira, com o trabalho "O sistema de normas e a evolução demolinguística da língua portuguesa".

Resumo  do artigo (na íntegra aqui, pp. 25-43):

 

 «O sistema de normas da língua portuguesa tem se caracterizado, desde o início do século XX, pelo dualismo entre os processos de normatização do Brasil e de Portugal, o que conduziu a duas normas não-cooperativas. A norma portuguesa foi adotada pelas novas nações independentes de língua portuguesa após 1975. Dados de projeção demográfica dos países de língua portuguesa até 2100 apontam para um crescimento populacional elevado dos PALOP nas próximas décadas, especialmente Angola e Moçambique, e para um decréscimo populacional de Brasil e Portugal, de tal maneira que uma grande parcela dos falantes da língua estaria na África Meridional (Angola e Moçambique) na virada para o século XXII. Este texto discute os processos normativos da língua e explora preliminarmente cenários para a gestão do sistema de normas da língua portuguesa à luz de alterações geopolíticas previstas para a segunda metade do século XX.»