«Um dos raros banhistas que hoje se atreveram a entrar na água» - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
«Um dos raros banhistas que hoje se atreveram a entrar na água»
Referência no Jornal da Tarde (RTP 1, 3 de Junho de 2007) ao início da época balnear em Portugal: «Este [rapaz] é um dos raros banhistas que hoje se atreveu a entrar dentro de água.»

Primeiro: o verbo atrever-se devia estar na 3.ª pessoa do plural, concordando com «raros banhistas» («Este é um dos raros banhistas que hoje se atreveram a entrar»), pois o que se pretendia dizer é que houve banhistas – raros – que se atreveram a entrar na água e que o rapaz foi um deles. Não se pretende dizer que o jovem que entrou na água era apenas «um dos raros banhistas»; ele era um «dos raros que se atreveram a entrar na água».

Segundo: como o verbo entrar já contém a ideia de «passar de fora para dentro», a locução prepositiva «dentro de» é uma redundância… escusada.

Sobre a autora