O multilinguismo na União Europeia - Lusofonias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Lusofonias Artigo
O multilinguismo na União Europeia

 

O debate sobre o multilinguismo entrou na agenda europeia. A Comissão Europeia (CE) apresentou uma comunicação com o lema "Aprende línguas e serás alguém", o Parlamento Europeu aprovou um relatório e, a partir de Janeiro de 2007, haverá um comissário para o Multilinguismo, o romeno Leonel Orban.

Com o passar dos anos e sucessivos alargamentos, a União Europeia (UE) vai ganhando cidadãos e novas línguas. Neste momento, o arco-íris idiomático já é composto por vinte línguas oficiais, correspondendo a 25 Estados membros (EM), uma vez que a Alemanha e a Áustria partilham o alemão, o Reino Unido e a Irlanda, o inglês, a Grécia e Chipre, o grego, e a Bélgica e o Luxemburgo partilham as línguas dos vizinhos franceses, neerlandeses e alemães.

A diversidade linguística está consagrada na Carta Europeia dos Direitos Fundamentais e é um valor central da construção europeia, ainda que, do ponto de vista pragmático, acarrete iniludíveis dificuldades e elevados custos. Para pôr a funcionar esta moderna Torre de Babel, é necessário um exército de tradutores e intérpretes. A interpretação simultânea é o principal problema, como reconheceu o director-geral da Interpretação, Marco Benedetti: "É muito difícil encontrar tradutores que falem maltês e eslovaco, fluentemente, ou grego ou húngaro."

Perante um tal labirinto linguístico, várias vozes se fazem ouvir em defesa de um idioma neutro, o esperanto, e outras do inglês. Mas, como alguém disse, pode-se ser bilingue, mas não apátrida da linguagem à procura de asilo numa língua de acolhimento. A política linguística é um tema delicado, que mexe com duas áreas muito sensíveis: a da identidade e a das emoções. De tal modo que é mais fácil chegar a um acordo sobre a moeda única do que sobre as opções linguísticas.

A UE é um caso singular de unidade na diversidade. Os cidadãos europeus têm o direito de se dirigirem às instituições na sua língua nacional e são encorajados a aprenderem outras línguas, até por razões de mobilidade profissional.

Um estudo de opinião intitulado "Os europeus e as suas línguas" conclui que os conhecimentos da população europeia estão a aumentar, mas distribuídos de maneira desigual. O ambicioso objectivo "língua materna +2" nunca será aplicado igualmente em todos os EM. O inglês detém uma situação claramente hegemónica, é o latim da actualidade. Os cidadãos que têm o inglês como língua nacional usufruem de uma situação privilegiada, pelo que não têm a mesma necessidade de aprender outras línguas. São os naturais dos países mais pequenos e falantes de línguas menos conhecidas os que mais desenvolveram a sua competência linguística noutras línguas.

Em teoria, todas as línguas são iguais, mas na prática, há situações de hierarquia e privilégio. Até porque não têm todas a mesma projecção e o mesmo potencial internacional. Não há inocência nem acaso nas escolhas linguísticas.

O português é uma das grandes famílias linguísticas do mundo actual e é um caso singular na Europa e no mundo - língua co-mum de oito países, falada por duzentos milhões de pessoas, espalhadas pelos cinco continentes -, pelo que devia ter um lugar especial no conjunto das línguas oficiais europeias. É a terceira língua da União Europeia mais falada no mundo. Depois do inglês e do espanhol e antes do alemão, do francês e do italiano. E o seu legado histórico é inesti- mável, pois foi a primeira língua europeia a estabelecer uma verdadeira ponte cultural entre o Ocidente e o Oriente. A língua de Camões devia ter na UE um estatuto correspondente à sua projecção internacional. Por isso importa - nas palavras de Miguel Torga - tornar conhecida da "Europa culta" a língua portuguesa "para que a singularidade expressiva de um povo (...) possa de ora avante patentear à curiosidade cosmopolita toda a sua riqueza e originalidade". É um dever dos deputados portugueses no PE.

 



 

Fonte

Texto publicado no “Diário de Notícias” de 10 de Dezembro de 2006

Sobre a autora

Edite Estrela (Carrazeda de Ansiães, 1949), política e professora portuguesa, formada em Filologia Clássica e Comunicação Social, foi vice-presidente da Associação Portuguesa de Escritores (1988-1994). Dirigente do Partido Socialista desde 1983, integrou o Secretariado Nacional (1988-2002) e foi eleita Deputada à Assembleia da República, em 1988 e 2002. Desde 2004, é Deputada no Parlamento Europeu, sendo presidente da Delegação Portuguesa do Partido Socialista Europeu. Autora de Bem Escrever, Bem Dizer e Dúvidas do falar português, entre outros.