Entrevista a Salvador Gutiérrez Ordóñez - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Entrevista a Salvador Gutiérrez Ordóñez
Entrevista a Salvador Gutiérrez Ordóñez
A questão da língua inclusiva, o papel da Real Academia Espanhola e outros assuntos

Nesta entrevista, Salvador Gutiérrez Ordóñez, abordando a questão da relação entre a língua e o ser humano, defende que a linguagem inclusiva, ou seja, aquela que verbaliza sempre o masculino e o feminino dos termos, não vai perdurar na comunicação quotidiana, dada a pressão exercida pelo princípio da economia linguística. Na sua opinião, expressões como "todos e todas", "alunos e alunas", "pais e mães" não vão integrar os usos linguísticos, exceto em situações administrativas. Na mesma linha ,considera que a polémica associada à questão da linguagem inclusiva, que nasce do movimento feminista, não tem razão de ser, pois, gramaticalmente, o uso do masculino tem um valor genérico que não oblitera nem a mulher nem o homem.

A entrevista centra-se também na questão da criação de uma Comissão da Real Academia Espanhola, por solicitação da vice-presidente do Governo Espanhol, María Soraya Sáenz de Santamaría, para analisar a aplicação da linguagem inclusiva em espanhol. A este propósito, Salvador Gutiérrez Ordóñez recorda a posição de Ignacio Bosque, linguista espanhol, que sustenta que o desdobramento constante das expressões, em masculino e feminino, não faz qualquer sentido.

Discutindo o tema da pressão exercida pela língua inglesa sobre a espanhola, o linguística defende que não se trata de uma verdadeira ameaça, pois a tendência da língua é de adotar e adaptar os termos que vão sendo importados em função das novas realidades a nomear.

Ao longo da entrevista, Salvador Gutiérrez aborda ainda a questão da língua como instrumento de manipulação, a qualidade da linguagem dos políticos espanhóis, cada vez mais pensada não no plano estilístico mas no da sua repercussão social. Ainda, a educação, a Catalunha, os movimentos identitários e a situação económica da Real Academia Espanhola.

 (O texto integral da entrevista, em língua espanhola, pode ser consultado aqui)