«Ele é muito "confartador"» - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
«Ele é muito "confartador"»
«Ele é muito "confartador"»

A mais nova forma do calão luandense, nesta crónica do autor, na sua habitual coluna, Professor Ferrão, no semanário angolano "Nova Gazeta", de 10 de abril de 2014.

 

 

Cada um desfrutou do Dia da Paz como pôde, afinal não são muitos os fins-de-semana de três dias seguidos. A Marginal de Luanda estava cheia. Apareceram pessoas de toda parte e de todos os tipos.

A festa começou com vários músicos a actuar para uma plateia de milhares e milhares de espectadores, entre os quais estavam alguns grupos, como já era de se esperar, à espera, permitam-me a redundância, da melhor oportunidade para fazerem das suas: assaltar quem à Marginal se desloca para se divertir e criar situações de vandalismo.

Foram os casos de dois grupos que, felizmente, acabaram por ser detidos, após terem consumido bastante ‘the best’ e ‘trungungo’ 1 e fumado muita liamba.

Um dos jovens, apanhado com uma garrafa partida na mão no meio da briga, explicava ao agente da polícia que se defendia apenas dos “bandidos” que pretendiam linchá-lo.

«Tu (é que) tens o caco na mão e eles é que te querem ferir?», pergunta o agente.

«Senhor agente, ele é muito confartador», diz o jovem já no carro da polícia. «Não é a primeira vez que ele faz isso, chefe. Ele tem de parar de confartar as pessoas», acrescentou.

O agente, com uma cara meio confusa, pega no bloco de notas. «Ele não pode continuar a confartar, chefe”, esclarece o jovem colocando o polícia ainda mais confuso. «O que foi que ele fez, ó rapaz?».

«Confartou-me, senhor agente, quer dizer, faltou-me ao respeito, abusou-me

E isso já virou mania. Todo o mundo agora só quer ‘confartar’. É mais nova forma (do calão [luandense]) que significa «faltar ao respeito», «abusar». E quem ‘confarta’, ou seja, a pessoa que abusa/falta ao respeito a outras pessoas é chamada ‘confartador(a)’.

Será que, com este comportamento, esses meninos (não) estarão a ‘confartar’, quer dizer, a abusar da língua portuguesa? De onde terá partido a ideia de os ‘confartadores’ começarem a ‘confartar’? Até agora, não encontrei resposta, mas a verdade é que já ouvi e vi um agente a fazê-lo também.

 

1 consumir 'the best' e ‘trungungo’ = consumir do melhor e uma mistura de cerveja com Coca-Cola.

 

Outros textos de Edno Pimentel sobre o português de Angola

Fonte

in semanário Nova Gazeta, de Luanda, publicado no dia 10 de abril de 2014 na coluna do autor, Professor Ferrão. Manteve-se a grafia anterior ao Acordo Ortográfico, seguida ainda em Angola.

Sobre o autor

Edno Pimentel é professor do ensino secundário em Luanda e assina no jornal Nova Gazeta a coluna Professor Ferrão sobre os usos da língua portuguesa em Angola.