De onde vem a palavra vegetariano? - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
De onde vem a palavra vegetariano?
De onde vem a palavra vegetariano?
A história da palavra e do conceito

Vegetarianismo. Ou a abstenção do consumo de carne e peixe. O que muitos ainda consideram uma moda tem, na realidade, acompanhado uma grande parte da história da Humanidade e é transversal a inúmeras sociedades e culturas ao longo do tempo, remontando a épocas anteriores a Cristo, possivelmente à tradição filosófica indiana ou à Grécia antiga.

Muitos reconhecerão, certamente, o nome Pitágoras de Samos, o filósofo e matemático grego que viveu no século V a.C. e que ficou, sobretudo, conhecido pelo seu célebre Teorema de Pitágoras, aprendido por todos os petizes na escola, e que ainda hoje nos ajuda a descobrir as hipotenusas e a projectar os nossos edifícios. Mas poucos saberão que foi também ele, provavelmente, um dos primeiros proponentes do vegetarianismo clássico, enquadrado na sua visão da transmigração das almas, ou seja, na crença de que todos os seres vivos possuíam almas, que migravam de um corpo para o outro.

Até meados do séc. XIX, o nome do filósofo grego passou a estar associado a todos aqueles que optavam por não consumir carne de animais, ou seja, os “pitagóricos” — assim passaram a ser designados. Alguns dos quais são nomes de vulto, facilmente reconhecidos, como Leonardo da Vinci, Percy Shelley, Leo Tolstoy, Alexander Pope, Henry Salt, George Bernard Shaw, entre outros.

A palavra vegetariano era inexistente no léxico popular até essa altura, sendo que alguns até utilizavam o conceito “anti-carnívoro” para designar alguém que não comia carne. Até que o termo surgiu pela primeira vez em publicações do século XIX e foi incorporado pioneiramente no vernáculo inglês. Apareceu inicialmente em formato impresso na edição de Abril de 1842 da revista The Healthian e passado pouco tempo a primeira sociedade vegetariana surgia na Inglaterra, em 1847, abrindo portas para que muitos outros colectivos e organizações despontassem um pouco por todo o mundo.

Esta terminologia era o produto da justaposição das palavras inglesas vegetable e arian. O termo vegetable remete para o reino vegetal, como se intui facilmente, ou seja, para alimentos vegetais. Já o termo arian é um sufixo utilizado frequentemente para conotar com uma prática ou uma doutrina, conforme é o caso também de proletarian, ou seja, proletariado, ou  librarian, um bibliotecário.

Em Portugal, o conceito começou a popularizar-se com a criação da Sociedade Vegetariana de Portugal, fundada pelo médico Amílcar de Sousa em 1908, e que estava sediada na cidade do Porto. Esta instituição viria a publicar várias edições de uma revista designada O Vegetariano, entre 1909 e 1915, a qual continha diversificados artigos, ilustrações e receitas vegetarianas; estas edições ainda hoje podem ser encontradas em algumas bibliotecas. Impulsionado por adeptos da alimentação vegetariana e do naturismo, a associação já contava com mais de 3000 associados em 1914, atestando à popularidade crescente desta forma de alimentação.

Com o intercalar do período salazarista, a alusão ao vegetarianismo passou a ser escassa e os movimentos perderam alguma visibilidade pública. Não seria por acaso, pois Salazar considerava o vegetarianismo como uma alimentação “dos pobres”, promovendo o consumo exacerbado da carne. Existiu uma associação promotora do vegetarianismo entre as décadas de 1960 e 1980, a qual se extinguiu entretanto.

Foi necessário chegar-se ao século XXI para que ressurgissem instituições ligadas com o vegetarianismo em Portugal, como a Associação Vegetariana Portuguesa, fundada em 2006, e o Centro Vegetariano, fundado em 2008. Presentemente, o conceito de vegetarianismo goza de uma grande popularidade, não só em Portugal como um pouco por todo o mundo. De Pitágoras a figuras públicas actuais como Yuval Noah Harari, Leonardo Di Caprio, Moby, Lewis HamiltonNatalie Portman e, por cá, João Manzarra ou Rita Blanco, parece que os “pitagóricos” são uma tradição que está para ficar e que a sua existência se tornará cada vez mais importante, diante dos desafios civilizacionais que nos são colocados no presente, seja ao nível da sustentabilidade, do bem-estar animal ou da saúde das populações.

Fonte

Crónica originalmente publicada no P3, separata do jornal Público, em 01/10/2019, aqui transcrita com a devida vénia. Mantém-se a ortografia original, anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Sobre o autor