Abaixo as aspas! - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Abaixo as aspas!

Nuno CratoNa linguagem científica não há nada pior do que a ambiguidade. Em jornalismo também. As ideias devem ser transmitidas de forma directa, simples e o menos ambígua possível. Essa é, aliás, uma regra quase geral: convém falar claro! Nos textos que nos rodeiam, contudo, desde algumas peças de mau jornalismo a inúmeros exemplos de literatice opinativa, abundam os subentendidos. Uma das manifestações mais frequentes da falta de clareza é o uso generalizado das aspas. No fim-de-semana passado, visitando um museu dos arredores de Lisboa, li que a vila «adquiriu um novo ‘rosto’ com a reconstrução efectuada». Tropeça-se na palavra e fica-se na dúvida: por que se encontra «rosto» entre aspas? Imagina o autor que alguém pensaria que as vilas têm cara - cara com olhos, nariz e boca - e resolveu por isso explicitar que não era desses rostos que se tratava? Então para que servem as aspas?

Regressado a casa e lendo um texto encontrado na página do Ministério da Educação, voltei a surpreender-me. Sempre ou quase sempre que falava do sucesso dos alunos, a palavra aparecia enquadrada por aspas. Como neste extracto: «Aqueles que têm ‘sucesso’ não precisam muito do professor nem abonam muito acerca do sucesso da escola.» Alguém percebe o que quer o autor dizer? Quer lançar descrédito sobre avaliação dos estudantes, negando pois a capacidade de exames e outros instrumentos para medir o êxito dos alunos? E quer dizer que o trabalho da escola não se pode medir pelos resultados dos seus alunos? Mas não tem a coragem de o dizer explicitamente. São aspas ao serviço da ambiguidade.

Nuno Crato

Expresso

Fonte

texto publicado no semanário Expresso de 23 de Junho de 2007, na coluna Passeio Aleatório

Sobre o autor

Nuno Crato (Lisboa, 1952) é o atual Ministro da Educação e Ciência. Foi professor catedrático no Instituto Superior de Economia e Gestão e Pró-Reitor da Universidade Técnica de Lisboa. Tem vários artigos e obras de teor científico e pedagógico publicados, dos quais se destacam: Passeio Aleatório (2007), A Matemática das Coisas (2008) e Melhorar o Ensino da Matemática com Ferramentas do século XXI (2010).