Que política de língua? - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Que política de língua?
Por José Manuel Matias/José Mário Costa 358

Esta semana, como habitualmente, há muitas matérias de interesse no Ciberdúvidas. Que requisitos serão necessários para a elaboração de um bom dicionário? A propósito deste tema, a nossa consultora Maria Celeste Ramilo alude ao excelente Corpus de Referência do Português Contemporâneo feito pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa.

Na rubrica Controvérsias, que acolhe o que fundamentalmente contribui para a polémica e a divergência de conceitos e opiniões, surgiram esta semana dois textos sobre os neologismos, publicados recentemente no semanário Expresso. Num deles, a nossa consultora Margarita Correia levanta questões sensíveis, mas pertinentes: «existe por parte da CPLP uma estratégia minimamente concertada para desenvolver o português e o seu uso? Existe alguma instituição oficial encarregada de proceder à normalização da língua portuguesa e, em particular, dos seus neologismos?» Em última análise, até poderemos perguntar, como o faz Margarita Correia: «Existe política de língua? Existe política de planificação linguística?» Responda quem de direito.

A propósito de neologismos, chamamos a atenção para a resposta Apagão. E hoje ainda temos as palavras transdisciplinaridade e desadsorção.

Finalmente, esta curiosidade: qual o feminino de patrono, de paraninfo e de formando?